terça-feira, 18 de julho de 2017

COHAPAR ABRE INSCRIÇÕES EM RAMILÂNDIA


Cohapar e Ramilândia abrem cadastramento para famílias interessadas em futuros projetos habitacionais
 Inscrição é critério indispensável para participação nos processos seletivos dos próximos empreendimentos que forem feitos no município.  
 A Companhia de Habitação do Paraná (Cohapar) e a Prefeitura de Ramilândia realizam a partir desta terça-feira (18) um cadastramento para registrar o interesse de famílias do município que pretendem adquirir uma casa própria na cidade, localizada na região Oeste do Estado. A inscrição é critério obrigatório para participação em futuros projetos habitacionais realizados pelo poder público na cidade.

As inscrições estão abertas até esta quarta-feira, 20 de julho. Segundo o coordenador regional da companhia em Cascavel, Severino Folador, a ação é importante tanto para a Cohapar como para a administração do município. “A partir da compilação destes dados, poderemos identificar a real necessidade por moradias e desenvolver projetos adequados ao perfil socioeconômico da população”, explica.  

Cadastramento
 – O cadastramento acontecerá por ordem de retirada de senha, com intervalo para almoço.  As pessoas que realizaram o pré-cadastro deverão apresentar:
- RG e CPF - idade mínima de 18 anos (quem for casado, mesmo não legalmente, deve apresentar também os documentos do parceiro);
- Carteira de trabalho;
- Comprovante de residência - conta de água ou luz atual;
- Certidão de nascimento dos filhos / dependentes;
- Divorciado ou separado judicialmente deve apresentar averbação;
- Viúvo - apresentar certidão de casamento e óbito;
- Trabalhadores registrados ou concursados - apresentar o último contracheque;
- Trabalhadores informais (sem registro em carteira de trabalho) - informar verbalmente a renda;
- Aposentado ou pensionista apresentar comprovante do valor mensal.

SERVIÇO
Data: 18, 19 e 20 de julho.
Horários: 9h às 12h e 13h30min às 16h30min
Local: Biblioteca Municipal


Em caso de dúvidas ou mais informações, os interessados devem ligar para o escritório regional da Cohapar em Cascavel: (45) 3225-1719.

Assessoria de Comunicação
Companhia de Habitação do Paraná
(41) 3312-5815 | 3312-5818

Chapecoense Maikel Monteiro lançou livro sobre as Irmãs Galvão

           Escrito por Maikel Monteiro, chapecoense conta como passou de fã a “filho” da dupla caipira

Com a euforia de um fã que fala com seu ídolo, o garoto de 12 anos destrinchou naquela ligação a cobrar de uma velha cabine telefônica do centro de Chapecó a sua admiração pelas irmãs Galvão. De tanto escutar os discos da dupla, Maike Monteiro tinha certeza que aquele alô era da própria Marilene, e em dez minutos de prosa não hesitou em dizer que apesar da pouca idade era um admirador ferrenho da dupla de moda caipira. Os amigos, todos sessentões, fizeram pouco caso da conversa do guri que gritou aos quatro ventos que havia falado com a cantora. Só vieram a crer após as ligações virarem mensais e pagas minuto a minuto da mesma cabine. A paixão de Maike pelas irmãs Galvão vem mesclada da nostalgia de uma infância simples no Bairro Santa Maria e de cuias de chimarrão compartilhadas nas manhãs cedinho com o avô Arlindo Schwarz. Não que precisasse levantar antes das 6h por aqueles dias. Mas as ondas do rádio lhe convidavam a deixar a cama e ouvir as histórias simples cantadas há 40 anos. O gosto virou fixação e a energia juvenil foi canalizada em idas à biblioteca e à Rádio Chapecó para estudar a música caipira como um doutorando se debruça sob sua tese. O hábito lhe rendeu um espaço como comentarista na emissora e lhe encheu o peito para com ousadia tentar no disk telefone, 109, o contato da dupla, cuja voz e acordes lhe fascinavam. Então ligou. “Naquele tempo era tudo mais fácil. Liguei e pedi o telefone da Marilene Galvão. Disse que ela morava em São Paulo. Foi um chute. Eu não sabia. Mas, como os artistas moravam todos por lá, achei que seria. Ela me passou um telefone e eu liguei a cobrar mesmo. E deu certo. Marilene me atendeu e eu falei que era muito fã dela. Ela ficou feliz e me passou o telefone da irmã, a Meire, mas ela não me tratou da mesma forma. Até cogitei a virar fã de apenas uma”, lembra Maike, sentado em uma cadeira na redação do VOZ e segurando em mãos um exemplar do livro que lançará neste sábado (15) em Chapecó sobre os 70 anos da dupla feminina.
Aproximação
A ligação feita aos 12 anos não foi a única do radialista mirim. Apesar da rispidez com que Meire lhe tratou, incrédula sobre um adolescente se declarar fã em uma época em que a mocidade se voltava a Xitãozinho e Xororó, Maike insistiu. Não voltou a ligar a cobrar até a terceira vez. Mas guardava os vinténs para todo mês fazer ligações de dez minutos cada para cada uma das irmãs. “Eu não entendia o porquê ela me tratava mal. Mas quando liguei a terceira vez ela disse: ‘Olha, você liga todo o mês e eu não consigo entender. Eu te trato mal e você continua insistindo. O que é que você entende das coisas?’ Passei a falar sobre os discos e mostrei o que sabia. Ela então amoleceu e a partir daí disse que eu poderia ligar até a cobrar quando quisesse”. Foram três anos mantendo contato por telefone com as irmãs Galvão, criando uma ponte entre Chapecó e São Paulo que foi fortalecida em janeiro de 1996, aos 15 anos, quando a dupla lhe perguntou se tinha algum parente na capital paulista. Pedido que não veio à toa, as irmãs queriam pagar uma passagem de ida e volta para o adolescente conhecer As Galvão. A sorte de Maike era ter um tio em São Paulo que o abrigou por uma semana. Melhor dia o adolescente não sabia se já tinha tido: estava em frente à dupla amada se deleitando no sonho de mirar fundo dos olhos das mulheres cuja história e voz lhe encantavam.
Acervo
Maikel nunca deixou de apreciar a música caipira e admirar o trabalho das irmãs Galvão. Dentro de um gênero em que o machismo imperava, ele via na dupla mulheres à frente do seu tempo que sabiam se impor diante dos desafios que a carreira proporcionava às mulheres. Se de um lado o próprio estilo musical era afetado, segundo Maikel, pela imagem que Monteiro Lobato criou do caipira com o personagem Jeca Tatu, ridicularizando aquele que vem da roça, mulheres tinham a carreira interrompida por relações ciumentas e casamentos. Há mais de 20 anos pesquisando o gênero, Maikel disse que isso só não aconteceu com as irmãs Galvão pela sua insistência em se dedicar à paixão mor. “Elas chegaram a se relacionar com pessoas que disseram: ‘Agora você tem uma família, precisa deixar a música de lado para se dedicar a casa’. Mas, quando ouviram isso falaram: ‘Então, quem vai embora é você’. E terminavam o relacionamento. E era um relacionamento com pessoas do meio musical, do meio artístico, e que conheceram elas nesse meio, mas que ao mesmo tempo não permitiam que mulheres alavancassem a carreira pelo machismo”. Outros detalhes da carreira da dupla, Maikel conheceu pela ligação que criou com Marilene e Meire após as ligações da adolescência. A aproximação foi tanta que após elas serem madrinhas do casamento de Maikel, pediram que, em 2007, ele escrevesse um livro sobre suas carreiras. De fã a amigo da família, de pesquisador da música caipira a escritor, Maikel reuniu um acervo equivalente a dois volumes da Barsa com recortes de jornais – fora fotografias e discos –, os quais analisou ouviu, comparou e descreveu na obra lançada em maio, em Curitiba – cidade para a qual se mudou em 1997 –, e hoje, em Chapecó.
Maikel com as cantoras, sua avó paterna Emirita Monteiro e a vó materna Agnese

Livro
A obra conta a trajetória das irmãs até os 70 anos de carreira, completados este ano – maior marco para o gênero e nunca conquistado por uma dupla masculina em atuação. No primeiro esboço, Maikel se deteve a contar três histórias: A de Marilene, a de Meire, e a das irmãs Galvão. Mas a dupla pediu que as vidas pessoais fossem sacadas do livro e que o foco fosse a carreira. Maikel não pensa em lançar uma obra com esses detalhes confiados a ele e que foram censurados. Diz, com zelo, que não trairia a confiança das amigas, que hoje chegam a Chapecó para acompanhar o lançamento às 15h no Shopping Pátio Chapecó. A obra, editada pela InVerso, custará R$ 50. Depois dela, Maikel irá se preparar para encerrar um novo projeto: uma análise da história da música caipira do disco ao mp3. É que a fixação de criança pelo estudo dos acordes da viola nunca lhe saiu e compartilhar estas memórias, diz Maikel, ajuda a manter vivo aquilo que o Brasil tem de mais genuíno. “A música caipira não é uma música comercial. E não é, porque ela sai de dentro. Tem a mescla da chegada dos portugueses e negros nos instrumentos e uma fala simples. Não há como não ouvir e não lembrar De uma infância feliz ou um grande amor”
Maikel é filho de Odete e Jorge Monteiro parentes do lado da  minha mãe Ercilia.
Cesar Antonio Berger
Cesar Antonio Berger Parabéns Maikel Monteiro, felicidades na tua jornada, tudo de bom, gostaria muito de estar ai mas, não foi possível. Vou reproduzir a matéria que saiu no jornal aqui para o meu blog do pimentinha http://leiaopimentinha.blogspot.com


LEIAOPIMENTINHA.BLOGSPOT.COM
CurtirMostrar mais reações
 · Responder · 
2
 · 14 h
Maikel Monteiro
Maikel Monteiro Cesar Antonio Berger, obrigado por compartilhar a matéria em seu blog, infelizmente você não pode estar, mas o tio e a tia, junto com o Gui se fizeram presentes e foi muito emocionante estar junto dos meus. Abraços


capa do Jornal Voz do Oeste

segunda-feira, 17 de julho de 2017

Amop promove nesta sexta-feira café para lançamento de eventos



A Amop (Associação dos Municípios do Oeste do Paraná) promove nesta sexta-feira (21) café da manhã de lançamento de cinco eventos que serão realizados ao longo do segundo semestre de 2017: o 12º Prêmio Amop de Jornalismo, o 12º Fermop (Festival Regional dos Municípios do Oeste do Paraná), o 9º Campeonato de Futebol da Amop, o 1º Campeonato de Futsal da Amop e o 5º Serprof – Seminário Nacional de Formação Continuada de Professores/Mostra de Experiências e Vivências Pedagógicas. O lançamento será realizado a partir das 9h, na sede da Amop em Cascavel (Rua Pernambuco, 1936, Centro).  
A edição 2017 do Prêmio Amop de Jornalismo inova com a introdução da categoria Web, voltada a sites e blogs. Neste ano, o tema é o Agronegócio e as inscrições terão início no dia 1º de agosto. Além da internet, participam jornalistas inscritos nas categorias Televisão, Rádio, Impresso e Fotografia. A entrega da premiação será realizada no dia 10 de novembro de 2017, a partir das 20h, no Tuiuti Esporte Clube. 
O Fermop será realizado em quatro etapas classificatórias – 12/8 em Itaipulândia, 15/9 em Ubiratã, 22/9 em Mercedes e 29/9 em Capitão Leônidas Marques – e a grande final em Toledo, dia 6/10. Participam calouros nas categorias Sertaneja, Popular, Gospel e Kids. A animação fica por conta da banda Hora Nacional. 
Os campeonatos de futebol de campo e de futsal contarão com equipes que representam os 52 municípios associados, e os respectivos vencedores levarão prêmios em dinheiro e troféus rotativos. Já o Serprof é um tradicional evento que reúne professores de toda a região e que apresenta o melhor da produção em sala de aula, bem como oferece atualização a esse público-alvo.  Todos os eventos têm o patrocínio da Itaipu Binacional, que também apresentará o veículo elétrico cedido à Amop. Mais informações pelo telefone (45) 3326-8644 ou no site www.amop.org.br

quinta-feira, 13 de julho de 2017

*


6 CANDIDATAS DISPUTAM O TITULO DE MISS MATELÂNDIA 2017



A 3ª Edição da Festa da Polenta de Matelândia reservou momentos únicos neste que foi o evento que marcou o início das comemorações alusivas aos 57 anos de emancipação político-administrativo do município.
O jantar promovido pela Sociedade Italiana "Viccini Itália" que teve a parceria da Prefeitura Municipal, contou além do cardápio característico da etnia, também com apresentações divertidas e tradicionais.
A apresentação das Candidatas a Miss Matelândia 2017 foi um dos destaques da noite. Seis lindas candidatas que encantaram todos os presentes esbanjando beleza e simpatia.
JESSICA MAIARA DA SILVA FERRAIS
18 ANOS DE IDADE
ESTÁ CURSANDO O 2º ANO DO ENSINO MÉDIO E PRETENDE SE FORMAR EM ENFERMAGEM
DANIELA PIERDONÁ
22 ANOS DE IDADE
É PEDAGOGA PÓS GRADUADA EM EDUCAÇÃO ESPECIAL E TRABALHA NO MOMENTO COMO AUXILIAR ADMINISTRATIVO
AMANDA REGINATO
20 ANOS DE IDADE
ESTÁ CURSANDO O 5º PERIODO DE ENGENHARIA CIVIL E TRABALHA COMO ADMINISTRADORA NA ACADEMIA VIVA FORMA
JULIANA SIQUEIRA
21 ANOS DE IDADE
É FORMADA EM TÉCNICO EM ENFERMAGEM E TRABALHA COMO AUXILIAR ADMINISTRATIVO
GABRIELLY CRISTINA PEREIRA
19 ANOS DE IDADE
ESTÁ CURSANDO CIÊNCIAS CONTÁBEIS E TRABALHA ATUALMENTE NO BANCO SICREDI
BIANCA AZEVEDO
22 ANOS
ESTÁ CURSANDO O ÚLTIMO ANO DE JORNALISMO E TRABALHA COMO MONITORA/PROFESSORA NO PROFAM
As candidatas passarão agora pro todo o processo de preparação, contando com aulas de postura, passarela, comportamento, maquiagem dentre varias outras.
O Baile que elegerá a Miss Matelândia 2017 e a 2ª Miss Matelândia 2017 será no dia 24 de julho, segunda-feira, véspera de feriado no CTG Querência Nova.
Em breve as mesas estarão a venda no valor de R$280,00 para 08 pessoas e o traje este ano será Esporte Fino.

3º CANTO DO SABER GRANDE FINAL DIA 15


terça-feira, 11 de julho de 2017

MATELÂNDIA PERDE O VEREADOR LACO


A boa amizade o tempo não apaga, perdemos o nosso amigo Laco, mas junto de nós deixou muitas boas lembranças, uma história em nossa cidade, companheiro de todas as horas, um incansável lutador pelas causas de nossa cidade, pra ele não tinha tempo ruim, participarmos por mais de 20 anos na política, quantas reuniões por vários lugar deste município, quantas risadas, quantas decepções, mas tenho certeza que fez de si o melhor e o que podia. Descanse em paz e fica o nossos pêsames a sua família. Seu corpo esta sendo velado no bairro São Cristóvão desta as 11 horas e o sepultamento esta marcado para as 9:00hs desta quarta feira. 

segunda-feira, 10 de julho de 2017

SOCIAS CESAR BERGER AQUI VOCÊ É DESTAQUE


 Casal Jaqueline e Otoniel Garces Jr, com os filhos Davi e Isabel em recente evento na cidade de Missal. Jr é o Secretario de Meio Ambiente e Recursos Hídricos em Matelândia
 Chefe da Casa Civil do Governo do Paraná Valdir Rossoni e sua parente a Pascoalina da Casa Itailiana
                                            Nossos pioneiros família Grassi
Prefeito de Matelândia Rineu Menoncin e sua esposa Maria Lucia em visita ao Vale de Aventura no interior de Matelândia, foram recebido pelo casal  Fabiane Morelo e Silvano Stella
veja no facebook https://www.facebook.com/valedaventura/
Mirian Pietrobom Chefe da Casa da Cultura e o Ator João Luiz Gimenes Reis - Pastor Mendigo veja no link abaixo sua história. 
Vice prefeito de Céu Azul Boaroli e a esposa professora  Marines Rosa
Bonifácio.
Deputado Federal Evandro e a Gerente da Unidade de Aves de Matelândia Srª Lerida Fantin Vargas em recente encontro onde contou com a presença do Ministro de Agricultura Blairo Maggi.

 Vereador Carlos Caon com a esposa Elis e a filha Alana na festa do aniversário dele realizado no salão de festa do Cruzeirinho.
Casal Michelle Dalmas e o vice prefeito de Matelândia Enio de Oliveira na apresentação das candidatas a miss Matelândia 2017.


Dona Nair Lazzarotto pioneira em Matelândia e a sua filha a professora Giovana.

Fotos Cesar A. Berger

segunda-feira, 3 de julho de 2017

CARRETA DE MATELÂNDIA TOMBA EM NOVA LARANJEIRAS

Uma carreta com placas de Matelândia, carregada com mais de 25 toneladas de frango tombou e carga foi saqueada na tarde de domingo (02) na Serra da União em Nova Laranjeiras.

Conforme a Polícia Rodoviária Federal, o motorista, identificado como sendo Felipe Alves de Mello, de 34 anos seguia pela BR 277, quando no KM 484 perdeu o controle da direção do veículo e tombou. A carga ficou espalhada e o saque foi inevitável.

O condutor teve ferimentos leves e foi encaminhado a casa hospitalar. Socorristas da concessionária que administra a rodovia atenderam a vítima.


Com informações da Catve